Saiba Tudo Sobre a Caloria e Entenda o Ponto que ela Poderá te Fazer Mal

Há muitos mitos no mundo da nutrição. O “mito da caloria” é um dos mais famosos e também um dos mais prejudiciais. Esse mito consiste na ideia de que as calorias são a parte mais importante da dieta, não importando qual é a fonte das calorias, e é plantada a ideia de que você deve queimar todas elas.

Segundo esse pensamento, “Uma caloria é uma caloria” e não importa se você come 100 calorias de um biscoito recheado ou de um brócolis, elas terão o mesmo efeito em seu peso.

É verdade que todas as “calorias” têm a mesma quantidade de energia, e segundo esse aspecto, uma caloria é uma caloria. Mas quando se trata do seu corpo, as coisas não são tão simples.

O corpo humano é um sistema bioquímico altamente complexo com processos elaborados que regulam o balanço energético. Diferentes alimentos passam por diferentes caminhos bioquímicos, alguns dos quais são ineficientes e causam a perda de energia (calorias), como o calor.

Ainda mais importante é o fato de que diferentes alimentos e macronutrientes têm um efeito importante sobre os hormônios e centros cerebrais que controlam a fome e comportamento alimentar.

Os alimentos que comemos podem ter um enorme impacto sobre os processos biológicos que nos governam, ou seja, quando, o quê e quanto nós comemos realmente importa.

Aqui estão 5 exemplos comprovados do por que uma caloria não é apenas uma caloria.

  1. Frutose x Glucose

Os dois principais açúcares simples de uma dieta são a glicose e a frutose. Estes dois açúcares parecem quase idênticos e têm quase a mesma fórmula química, mas para o seu corpo, os dois são completamente diferentes.

A glicose pode ser metabolizada por todos os tecidos do corpo, mas a frutose só pode ser metabolizada pelo fígado em qualquer quantidade significativa.

Aqui estão alguns exemplos de porque as calorias de glicose não são as mesmas que as calorias de frutose:

O “hormônio da fome” aumenta quando estamos com fome e depois de comer, ele diminui. Um estudo mostra que a frutose leva a maiores níveis de hormônio da fome para o nosso corpo do que a glicose. Ou seja, a frutose não estimula os centros de saciedade do cérebro da mesma forma que a glicose, levando à saciedade reduzida.

Um alto consumo de frutose pode causar resistência à insulina, ganho de gordura abdominal, aumento dos triglicerídeos, açúcar no sangue e LDL pequena e densa, em comparação com o mesmo número de calorias de glicose.

Podemos ter o mesmo número de calorias de frutose e de glicose, porém efeitos completamente diferentes em relação a fome, hormônios e saúde metabólica. Porque uma caloria não é apenas uma caloria.

Tenha em mente que essa regra se aplica apenas à frutose de açúcares adicionados, e não a frutose de frutas. As frutas estão liberadas e fazem bem ao nosso organismo, uma vez que elas também têm fibra, água, e que podem atenuar os efeitos negativos da frutose.

  1. O Efeito Térmico do Alimento

Alimentos diferentes passam por diferentes vias metabólicas, e alguns desses caminhos são mais “eficientes” do que outros. Quanto mais “eficiente” é o caminho metabólico, mais energia é usada para o trabalho e menos é dissipada como calor.

As vias metabólicas para a proteína são menos eficientes do que as vias metabólicas para carboidratos e gordura. Uma proteína contém 4 calorias por grama, mas uma grande parte das calorias da proteína são perdidas como calor quando são metabolizadas pelo organismo.

O efeito térmico dos alimentos é uma medida de quanto alimentos diferentes aumentam o gasto energético, devido à energia necessária para digerir, absorver e metabolizar os nutrientes.

Estudos mostram que dietas ricas em proteínas aumentam o metabolismo de 80 a 100 calorias por dia, em comparação com dietas com menor teor de proteína, ou seja, dietas ricas em proteínas têm uma “vantagem metabólica”.

  1. Proteínas Diminuem o Apetite e Fazem Você Comer Menos Calorias

A história de proteína não termina com o aumento do metabolismo, elas também levam a redução de apetite, fazendo você comer menos calorias automaticamente.

Proteínas Diminuem o Apetite
Proteínas Diminuem o Apetite

Os estudos mostram que a proteína é o macronutriente mais satisfatório dentre todos. E se as pessoas aumentam sua ingestão de proteínas, eles começam a perder peso sem contar calorias ou controlar porções, ou seja, a proteína coloca a perda de gordura no piloto automático.

  1. Dietas de Baixo Teor de Carboidratos Levam à Restrição Calórica Automática

Dietas de baixo teor de carboidratos levam a uma maior perda de peso, que muitas vezes pode ser de 2 a 3 vezes maior do que quando comparada com outras dietas.

Uma das principais razões para isso é que as dietas de baixo teor de carboidratos reduzem bastante o apetite, e mesmo quando as calorias são combinadas entre os grupos, os grupos com baixo teor de carboidratos geralmente fazem perder mais peso.

A maior razão para isso é que dietas de baixo teor de carboidratos também causam perda de água significativa, e o inchaço excessivo tende a desaparecer na primeira ou segunda semana.

Outra razão é que dietas de baixo teor de carboidratos tendem a incluir mais proteínas do que dietas de baixo teor de gordura. A proteína leva mais energia para metabolizar e o corpo gasta energia transformando a proteína em glicose, aumentando o metabolismo e o gasto calórico.

  1. O Índice Glicêmico

Há muitas controvérsias na nutrição e muitos médicos não concordam em vários aspectos. Porém, uma das poucas coisas que quase todos concordam é que os carboidratos refinados são ruins.

Os carboidratos refinados incluem açúcares adicionados como sacarose e xarope de milho de alta frutose, bem como produtos de grãos refinados como pão branco.

Os carboidratos refinados tendem a ser baixos em fibra e eles são digeridos e absorvidos rapidamente, levando a picos rápidos de açúcar no sangue. Eles têm um índice glicêmico alto, que é uma medida de quão rapidamente os alimentos aumentam o açúcar no sangue. E quando nós comemos um alimento que gera picos de açúcar no sangue, normalmente temos vontade de comer mais.

Assim, a velocidade em que as calorias do carboidrato funcionam podem ter um efeito dramático em seu potencial e causar ganho de peso.

Se você estiver em uma dieta de alto teor de carboidratos é crucial escolher fontes inteiras de carboidrato que contêm a fibra, uma vez que ela pode reduzir a velocidade com que a glicose entra no sistema.

Estudos mostram consistentemente que pessoas que comem alimentos de alto índice glicêmico estão em maior risco de se tornar obesas e diabéticas.

Sendo assim, fica provado que diferentes fontes de calorias podem ter efeitos muito diferentes sobre a fome, os hormônios, o gasto energético e as regiões cerebrais que controlam a ingestão de alimentos.

Mesmo que as calorias sejam o que basicamente você quer queimar, você deve saber exatamente quais calorias são boas e quais são ruins para você, afim de que você consiga perder mais peso.

Em muitos casos, mudanças simples na seleção de alimentos podem levar a melhores resultados do que a restrição calórica. Planeje bem sua dieta e tenha sucesso para emagrecer!

Recomendados: